crítica ‘jurema’ por paloma durante

Jurema

Há uma arte comum em todos os utopianos que é a prática da agricultura. Há uma arte comum no nosso modelo de cidadão que é o acesso aos bens tecnológicos. Thomas Morus se preocupa que tudo o que seja produzido e feito em Utopia seja de utilidade pública e individual dos utopianos. As nossas relações mercadológicas se preocupam com o desenvolvimento de aparatos de tecnologia cada vez mais sofisticados, para que tudo o que seja produzido seja consumido de maneira mais rápida por um preço de produção mais barato em troca de criar uma necessidade que nos custe muito mais.

mais

hiperdesenho

Ao vermos um desenho conseguimos perceber toda a sua construção baseada em pontos e linhas. O computador já o vê como uma extensa sequência de zeros e um, ou bits. Ao fazermos um desenho no computador, nossos pontos e linhas estão sendo traduzidos e armazenados como bits, essa é a forma como o computador vê e interpreta o mundo. Para facilitar a forma como interagimos com o computador, foram desenvolvidos softwares que tornam essas sequências de 0 e 1 mais amigáveis, traduzindo-as para as informações como estamos acostumados a receber como pontos, linhas, cores, formas, volumes, letras, textos, links, e etc. De maneira similar funcionam as linguagens de programação, em que se escreve palavras, códigos e números, que representam sequências lógicas de bits, carregam informações e podem gerar um desenho. A diferença é a forma de construção desse desenho: ele é feito por texto, enquanto o outro é ponto e linha. Escrevemos direções vetoriais, definimos em números a espessura do traço, cor e transparência. Ditamos seu ponto inicial e seu ponto final. As qualidades se tornam diferentes – o valor do gesto passa a ser a síntese da função escrita. Curvas são geradas com fórmulas trigonométricas, senocossenotangentepi. O papel e lápis passam a ser pixels com três informações de 255 valores diferentes cada. ou oito bits. Repetições são definidas for(texto igual a zero; texto maior ou igual que outro texto; acréscimo de texto); texto define cor; espessura; linha; ponto; profundidade. A partir de agora chamado de desenho-código. Já o outro desenho, o desenho-mão, já o conhecemos com todas suas características estudadas e analisadas em toda a historia da arte e até mesmo das civilizações. É possível o desenho-código ser o mesmo que o desenho-mão? É possível que o desenho-mão em sua atualização, se virtualize? Aqui se propõe a criação de um desenho que seja ao mesmo tempo desenho-mão e desenho-código. Que o desenho-mão desenhe o desenho-código, e que o desenho-código consiga executar o desenho planejado pelo desenho-mão. Quando o desenho-mão desenhar o desenho-código sua realidade aumentada será o desenho atualizado virtualmente – aquele que foi planejado pelo desenho-mão e executado pelo desenho-código. Em ordem: se planeja o desenho atualizado virtualmente com o desenho-mão, traduz-se esse desenho-mão esboço/croqui/estudo em desenho código que gera o desenho atualizado virtualmente, desenhe o desenho-código utilizando o desenho-mão. Seu resultado: o desenho hiper-real, que através da tecnologia da realidade-aumentada será referenciado/linkado/conectado ao desenho atualizado virtualmente. Todos esses desenhos são únicos e ao mesmo tempo o mesmo desenho. Um se referencia ao outro que se referencia um outro que se referencia ao um. O desenho-mão possível pelas mãos e olhos, o desenho-código possível por sequências lógicas de 0 e 1, o desenho atualizado virtualmente possível pelos desenho-mão e desenho-código. Todos esses desenhos sendo apenas um: hiperdesenho.

texto mapa afetivo de são paulo

O projeto consiste em uma vídeo-instalação sonora interativa, composta por: joystick, teclado, monitor, iluminação e sonorização da sala ligados a um computador. O participante irá interagir de duas formas: a primeira sendo a inserção de dados; a segunda sendo a navegação por entre os dados inseridos anteriormente pelo interator ou por outros. O computador rodará um programa desenvolvido em Processing[1], que consiste em um mapa da cidade de São Paulo de plano de fundo. Inicialmente é pedido que seja selecionado um ponto nesse mapa a critério do participante, depois será pedido que insira o nome e por fim o conjunto cor/som.

A escolha do conjunto cor/som se dará por meio de uma paleta RGB. Como resposta a cor inserida, o programa irá reproduzir um som levando em conta a correspondência das ondas sonoras e visíveis, ou seja, ambas as ondas sonoras (mecânica) e visíveis (eletromagnética), podem representar valores semelhantes por meio de cálculos matemáticos que consistem em dobrar as frequências sonoras até chegar às frequências visíveis. Possibilitando uma escolha aberta, o participante pode escolher a cor e obter seu som equivalente ou vice versa.

A intenção é deixar que os participantes traduzam suas relações com determinados lugares da cidade de São Paulo por meio da cor ou do som, obtendo assim, uma equivalência sinestésica entre a audição e a visão.

[1] Processing é uma linguagem de programação baseada em Java (uma das principais linguagens de programação usadas hoje), para desenvolvimento de aplicativos para as artes visuais.

mapa afetivo de são paulo